X

Fale Conosco:

Aguarde, enviando contato!

Administração (31) 98741-9587

Saúde ocupacional (31) 99566-2044

Comercial (31) 98030-2196

Setembro Amarelo

Setembro Amarelo

Prevenção e combate ao suicídio

Setembro AmareloPrevenção contra o Suicídio 

O suicídio é um problema de saúde pública  em nossa sociedade e vem aumentando suas vítimas. Pelos números oficiais, são em torno de  32 brasileiros mortos por dia, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer.

Algo silencioso, pois as pessoas não demonstram sobre por variados motivos, medo, desconhecimento entre outros e as pessoas próximas não conseguem detectar esse problema.

A Organização Panamericana de Saúde e a Organização Mundial de Saúde (OMS) alertaram para este grave problema de saúde pública responsável por uma morte a cada 40 segundos no mundo. Segundo dados da ONU, de 2012, mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio todos os anos no mundo, sendo a segunda principal causa de morte entre jovens com idade de 15 a 29 anos.

O suicídio encontra-se entre as 10 primeiras causas de morte, sendo que, a cada suicídio, ocorrem 11 tentativas sem sucesso. Cerca de 20% das pessoas que tentam suicidar-se, caso não procurem ajuda especializada, repetem essa ação no prazo de um ano, aumentando a probabilidade de realmente tirarem suas vidas. Cerca de 10% de todas as tentativas de suicídio são mortais.

A importância da prevenção

A esperança é o fato de que, segundo a Organização Mundial da Saúde, 9 em cada 10 casos podem ser prevenidos. Para que isso ocorra, é necessário que a pessoa busque ajuda e atenção de quem está à sua volta e seja ouvida.

 Sinais de alerta:

  •  Tornar-se uma pessoa depressiva, melancólica;
  •  Falar muito acerca da morte, suicídio ou de não haver razões para viver;
  •  Demonstrar uma mudança acentuada de comportamento, atitudes e aparência;
  •  Ter comportamentos de risco, marcada impulsividade e agressividade;
  •  Aumento do consumo de álcool, droga ou fármacos;
  •  Afastamento ou isolamento social;
  •  Insônia persistente, ansiedade ou angústia permanente;
  •  Apatia pouco usual, letargia, falta de apetite;
  •  Insucesso escolar, quando antes era um aluno interessado;
  •  Auto-mutilação;
  •  Entre outros.

Detectando algum desses sinais, devemos nos atentar e colaborar para que não agrave, chegando ao suicídio de fato. Para isso, dialogue, valorize e demonstre que está disponível para ajudar. É fundamental que essa pessoa saiba e sinta o quão importante ela é, que sua vida tem valor e que sua dor é compreensível e aceitável face às suas vivências. 

Não deixe a pessoa sozinha, se sentir que existe perigo de ela cometer suicídio, nomeadamente se lhe parecer que a mesma tem um plano concreto de suicídio e já tomou decisões para o pôr em prática.

Incentive-a a pedir ajuda especializada (a um hospital, médico, psicólogo ou psiquiatra) e retire da sua proximidade todos os objetos com que a pessoa possa se machucar. Se for necessário, chame uma ambulância, ou outro tipo de ajuda que possa ser pertinente, rapidamente. Outra importante referência para contato é o CVV, que realiza apoio emocional e prevenção ao suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone (141), e-mail, chat e Skype 24 horas, todos os dias.

 

Trabalho x Suicídio

É no trabalho que passamos a maior parte do tempo de nosso dia e nos transformamos, construímos nossas identidades, formamos opiniões, sobrevivemos e nos valorizamos socialmente. Além disso, o trabalho também pode ser um lugar  tenso, estressante, que se desenvolvido em um ambiente negativo, repercute em um sofrimento mental, na medida em que seja permeado por sobrecarga, desconfiança e solidão.

Nos últimos anos o número de suicídios evidentemente relacionados ao trabalho cresceu consideravelmente.

Apesar de ser um assunto delicado, formas de produção do capitalismo e de relacionamento entre as pessoas contribuem para novas configurações de violência e assédio no trabalho.

O incentivo à competição entre os trabalhadores altera profundamente as relações laborais, enfraquecendo-se os vínculos afetivos e a ajuda mútua, o que reforça o isolamento.

No contexto laboral, essas questões não podem deixar de ser consideradas e relacionadas ao suicídio, contrariando a ideia tradicional de considerá-lo como sendo apenas uma “fraqueza do trabalhador”.

Todos nós devemos nos atentar e nos envolver, importante tratar as causas que levam as pessoas ao suicídio, seja no trabalho ou fora dele, com ações adequadas e eficientes, prevenção e discussões sobre saúde no trabalho contribuem em um ambiente laboral.

Pense nisso !

Valorize a vida !